Queen of Darkness: Outfits of the Week(s)

Finalmentchy, finalmentchy pude usar as roupas da Queen of Darkness!! Não aguentava mais poder só usar aquela saia! :P
Eu escolhi peças com cara de outono propositalmente porque é pra essa estação que sinto mais dificuldade de encontrar peças básicas mas com um tchãn a mais pro dia a dia. Claro que a loja tem também umas roupas bem chegay, mas achei melhor investir em peças de caráter mais básico que podem combinar com infinitas outras peças e serem usadas por muuuito tempo.

Então pra esse post separei as fotos que vesti QoD e vamos aos looks das últimas semanas  *_*


Rockstar! 
É como me senti com essas roupas!! Não tem um estilo que eu me sinta tão bem como os que tem um apelo mais rock n roll. Sinto que é minha essência estética de poder (baixa a rockstar egocêntrica!!), o tipo de look que ando com queixo erguido e passos firmes. E me sinto culpada por explorar pouco esse tipo de conceito. Acabo sempre caindo mais pro gótico porque adoro uma treva e uma renda.

Blusa Dark Fashion -  saia Queen of Darkness (não achei ela no site, mas tem essa similar) - luva Queen of Darkness
Choker Pentagrama Miniminou* - Lita inspired boots


Viagem de trabalho
Eu abandonei a calça jeans de vez há mais de três anos. Digo: não usem uma peça de roupa só "porque todo mundo usa". Era isso que eu fazia com o jeans.  Eu não me identificava, não curtia, mas usava porque "todo mundo usava". Desde então só uso calça de brim preta e das poucas situações que acabo usando são em viagens de avião e de ônibus. Ou quando algum trabalho exige que eu precise proteger minhas pernas.

O que uso no inverno já que só uso saias?
Eu sou do sul e lhes garanto: jeans não protegeria do frio. Porque o vento entra nos furinhos das tramas. Uso meia calça de lã e meia calça de acrílico + bota de cano longo. OU legging forrada (isso existe no sul - é uma legging que o tecido dentro é tipo plush) com ou sem meia calça de acrílico.

Devo confessar que me sinto "comum demais" usando brim... uma coisa meio tédio. Definitivamente preciso começar a experimentar diferentes tipos de calças pra ver se algum outro tecido ou modelagem se adequa à meu gosto.

Blusa Queen of Darkness - Calça Stooge (cintura alta de verdade hein gatãns!) - Bolsa Sourpuss - Melissa Lady Skull V. Westwood


Passeio 
Porque daí você vai um lugar pra sentar e conversar ou comer algo, ver uma exposição e quer uma roupa que não incomode, que seja confortável.
O que vestir? Uma legging e uma blusa!!
E taí o resultado (na verdade é um vestido que se faz de blusa longa). E claro, leve outro calçado se for andar, porque Litas são pra dyvas que só ficam sentadas.

Vestido Queen of Darkness - Legging cirrê C&A - Lita inspired Boots


Witchy!
Eu adoro esse vestido! Comprei na C&A vááários anos atrás. Em cima é renda e a saia é crepe plissado. Eu SEMPRE sempre sempre encontro vestidos pretos com renda na C&A! Mesmo antes de preto estar na moda. Adoro porque é aquele tipo de peça que vou usar a vida toda e mudando os acessórios vai pra todo lugar! Como ele é regata, o bolero protege do friozinho da manhã.

Bolero Queen of DArkness - Vestido C&A - Colares de pedras Miniminou*
- Melissa Mary Jane V. Westwood
 
detalhezzz


Não sei por aí, mas por aqui de manhã já fica friozinho, meio dia esquenta e lá pelas 15hr já começa a esfriar novamente. Como a Terra mudou de lugar, o local que tiro fotos tá batendo sol de manhã até às 15:00 então, fica esse lindo raio de sol me atravessando rsrs! Mas fazer o quê, preciso tirar fotos em local com luz natural porque minha máquina é velha e não pretendo comprar outra tão já! Se com luz natural a foto já sai ruim, imagina as que  tirei em outros locais da casa, ficaram mais escuras ainda. Mas vou acabar postando mesmo assim depois que eu der uma clareada e uns efeitos toskos ;)

Já entrei no processo de tirar o laranja e rosa do cabelo pra passar uma nova cor da Candy Color. Como desta vez estou desbotando de forma mais "natural", só lavando (e não passando dekap e coisas do tipo) então o processo é mais lento e acho que até a última semana do mês eu já posso passar a nova cor.

*Lembrando que com o cupom do meu outro blog, vocês compram com 10% desconto na Miniminou. O cupom é "SUBCULTURAS" 
#FICADICA


Outfit: I don´t give a damn!

Estou com um atraso nas publicações que tenho em rascunho aqui no blog, mas tenho atualizado meu Lookbook, o Instagram e o Tumblr. Essa semana vou tentar por em dia várias coisas que estão pendentes. 

Tempos atrás tava lendo o blog da Aline Valek e tem um texto dela que chama "Até as pedras mudam".
Demorei um pouco pra entender o título, como assim as "pedras mudam"??? Daí, lendo, me toquei que o tempo da Terra, é diferente do nosso. E as pedras mudam sim! Com o passar dos anos, décadas, milênios, elas mudam de forma por causa das intempéries e bem, super justo as pessoas mudarem também!

Afinal, se as pedras, que são PEDRAS, mudam, porque a gente não mudaria?
No texto, Aline fala que é sempre possível mudar de pensamento, e eu trouxe isso pra outro lado da minha vida: eu sempre me senti meio "estranha" por ter fases, por de 5 em 5 anos estar em outra vibe. É tipo eu vendo as blogueiras gringas sempre com o mesmo cabelo, as mesmas roupas e penso: "Pô, tenho tanta falta de personalidade que não consigo manter um mesmo estilo por 10 anos!". Mas daí percebi que o contrário...que cada um é cada um, não posso querer ser como outra pessoa. Eu ficaria ENTEDIADA se mantivesse sempre o mesmo look,  eu fico bem sendo camaleônica à minha maneira, me reinventando e nunca ficando parada numa estética ou num pensamento. E isso não pode ser falta de personalidade, pelo contrário, precisa ter muita pra "sustentar" as metarmofoses sem perder a essência de si mesma.
Ora, estou me auto-elogiando? E porque não? Se você não vê e não reconhece o que você faz bem, sei por experiência própria: não são as outras pessoas que vão te elogiar porque elas estão preocupadas demais com seus próprios egos. Então, esteja você preocupada também com o seu.
As pessoas pensam que "ego" é uma palavra negativa, mas não... ego é uma coisa, egocêntrico é outra (narcisista, egoísta). E existe o alter ego também (o outro eu).

O ego é a sua personalidade, aquela que você defende, é sua realidade, sua percepção.
E por isso o look escolhido pra ilustrar esse pensamento foi o vestidinho da Stooge estampado a frase "I don´t give a damn", ou seja, "não estou nem aí", "phoda-se" mesmo. Cuido de mim, mudo mesmo, assumo que nunca conseguiria ser eternamente a Sana de cabelo escuro ou a de cabelo ruivo. Metarmofose é algo positivo na minha personalidade, preciso dessa auto expressão mais livre!

Look: 
Outono chegou, a Terra mudou de lugar e o cantinho que eu andava tirando fotos de looks agora fica assim: com raios de sol :D
Por um lado é bom porque os dias tem sido frescos e esse solzinho esquenta naqueles dias de tremelico.

Tiara de Spikes Ideal Shop - Vestido Stooge - Meia Calça Marisa - Lita inspired Boots - acessórios acervo pessoal e shortinho de cotton que não aparece, claro (embaixo do vestido) ;)
Foto com participação especial do dog!

Tentei usar esse vestido com um cintinho mas não curti, corta a frase. E usei também com saia embaixo. Ainda não usei com legging, mas ainda vou! :D


Be smart is the new black! (usando o vestido shinning skulls como saia)

Hoje eu vim mostrar pra vocês uma coisa que eu adorei fazer: usar o vestido shining skulls da Stooge como saia!
O shining skulls é esse vestido aqui, ele tem a modelagem meio quadrada, solta e por isso consegui usar como saia sem precisar costurar!!!

Blusa lymda amo amo amo perfeita mais que tudo da Dark Fashion e minha "saia" shining skulls.

 

Basta dobrar, como no passo a passo:
1. A parte de cima do vestido: normal. Reparem que é de formato quadrado.
2. Partindo do franzido da saia, medi 4 dedos e comecei a a dobrar. 
3. Tudo dobrado. Não aparece nessa foto mas nas laterais prendi alfinetes de segurança pra segurar. Dá pra colocar alfinete atrás e na frente também, se quiser. Não incomoda.



A "nova" saia! :D



Não contem pra ninguém mas eu AMEI tanto que acho que há uma possibilidade grande de eu transformar de vez esse vestido de vez em saia!  *_*
Tô pensano, pensano...

Eu não consegui fazer o mesmo processo com o Dark Diva porque ele tem o corpo mais justo e o tule é um material frágil. Caso eu tivesse conseguido ou caso alguém resolva transformá-lo numa saia, ela vai partir da cintura, ficar na altura do joelho e rodada. Uma coisa meio anos 50. 

É isso Dyvas, sejam espertas e usem de mil formas suas roupinhas, Moda é também  diversão! :D


Outfit: Glamour Ghoul

Esse look lindo puro Glamour é composto de duas peças da Dark Fashion e eu acho que são perfeitas juntas! Essa blusinha amygas... é do tipo TEMQUETER!! Porque é muito confortável, estilosa e super de acordo com nosso clima. E combina com tudo!
Agora, a saia.........  eu nem sei como explicar, ela é macia, diliça, macia, macia, suave, esfrega na bochecha porque é muito amor!!! 
Eu até escrevi pra dona da loja dizendo "se superou hein??"
Resumindo: é a malha e a renda mais confortáveis que já vesti em my entire life!

E onde fui com esse sapato?? 
NÃO FUI 
Só botei pra tirar foto kkkkkkk
Na verdade coloquei uma sandália anabella bem mais confortável!
Porque né? Essa saia já causa, imagina com o sapato junto!


Magina então usada com coturnão? Rockstar mode on.
E sim, a Dark Fashion é parceira aqui do blog mas mesmo que não fosse eu só teceria elogios porque não tem uma peça que não seja confortável (o que pra mim é fundamental!).



Projetos Geração X Rock Blogs (2 em 1): Geração Apatica e Decoração do Quarto

Decidi fazer juntos os dois primeiros Projetos do Geração X Rock blogs porque achei que ficaram assuntos interligados. Os temas foram sugeridos por mim. Esse é um grupo que reúne blogs de alternativos "mais velhos" ou seja, pessoas que são consideradas Geração X (nascidas do início da década de 1960 até mais ou menos o anos de 1984) mas também aceita gente mais nova.

O primeiro tema se trata de um post-reflexão, segue o assunto:
"A Geração X  está no meio de duas grandes gerações super ativas e que sacodem o mundo: os Baby Boomers e os Millennials. 
A Gen X é também chamada de Geração Apática, considerados jovens sem identidade e com um futuro incerto, indefinido e hostil. Criados na frente da TV, pessimistas, cínicos, indiferentes, desesperançados... enfim, somos considerados muito zuados. Depressão, ansiedade, desordens alimentares são comuns nas pessoas da nossa geração.
Você deve lembrar da letra do Renato Russo: "Poderíamos mudar o mundo, quem roubou nossa coragem?". Acho que a frase representa bem a "desmotivação" típica da geração. Nossa dificuldade de levantar a bunda pra fazer alguma mudança forte... em linguagem vulgar: apertamos o phoda-se pra tudo e viramos as costas.
Então esse post reflexão é pra se lembrar de como você era quando adolescente e se era mesmo uma pessoa apática (ou não!) e depois trazer isso pra atualidade: você ainda é apático? Mudou? Nunca foi apático? Seus amigos/colegas da mesma faixa etária tem apatia?"

Fui muito auto-crítica pra escrever esse projeto... e eu cheguei à conclusão que sim! Eu poderia ter sido considerada uma teenager apática!!
Apatia é indiferença, falta de motivação ou de entusiasmo. E vou tentar explicar onde cada uma destas características se encaixariam em mim naquela época.

A partir da sexta série eu passei a sofrer bullying na escola, fato que durou quatro anos. Isso acontecia porque eu - e mais um grupo de 6 ou 7 estudantes, não éramos o padrãozinho de beleza e comportamento. Então, obviamente, tudo que fazíamos na classe era criticado, o que nos dificultava quebrar algumas barreiras, como por exemplo, sermos levados à sério e sermos convidados a fazer parte de grupos de atividade. Nós éramos ignorados. Com o bullying, minha auto estima era MUITO baixa na escola, ou seja, eu me tornava apática (sem entusiasmo) e ficava "no meu canto". É nesse conceito que com certeza me tornei um pouco misantropa.


Já a falta de motivação, chego a conclusão que vinha da baixa auto estima, da insegurança. Eu não entendia porque eu era considerada "diferente" se eu me sentia igual! Eu era inquieta, um pouco angustiada, tudo era tão sem graça ao meu redor, tão irritante e cheio de regras chatas, com essa visão de mundo, eu apertava o phoda-se (aqui entra a indiferença) e me afundava no meu quarto lendo revistas ou assistia TV (eu adorava Anos Incríveis, Confissões de Adolescente e o desenho Aventuras do Tin Tin).


Eu digo que o rock me salvou, pois quando eu naturalmente caminhei pra essa subcultura, adquiri mais auto confiança, entendi que existiam mesmo pessoas "diferentes" e canalizei minha rebeldia. Assim meu lado não apático aflorou, que era o de fazer teatro, música, estudar artes e dançar jazz. Nesta parte artística eu fui muito mais sociável, é impressionante o poder que a arte teve na minha vida! Ela realmente mudou minha perspectiva de vida e comportamento.

Eu me importava com o mundo, com política, com a vida. Eu lia muito jornal, revistas, era super atualizada, mas na real, eu não fiz nada muito significativo pra mudar o mundo. Confesso que na época, neste sentido, faltou-me mais atitude de fato! Interior parecia ser tudo mais difícil, as pessoas são provincianas e mais resistentes a mudarem de ideia!

"Quem roubou nossa coragem?" (Renato Russo, Quando o sol...)
Acho que os adultos que eu convivia. 
Sempre colocavam um "mas" e um imenso "não" no meio do caminho. E claro, o maldito machismo. Se de alguma forma eu tivesse percebido isso (o machismo) naquela época, eu teria tomado muitas iniciativas e enfrentado mais as situações, porque eu era uma garota atrevida mas me faltava um ponto de apoio, eu não era empoderada. Eles me diziam "você é menina não pode fazer isso/se comportar assim/ ir naquele lugar sozinha, fica aqui que é mais seguro, não faz isso não...". 
E a escola também teve culpa, porque me dizia que eu precisava ficar sentadinha ali e estudar pro vestibular e ser alguém na vida. Que não prestava eu ficar pensando em certas coisas (inclusive as que não caiam no vestibular) porque aquilo não ia mudar mesmo! Era daquele jeito e pronto!

"Eu já sei o que eu  tenho que saber, e agora, TANTO FAZ"
(Renato/Capital Inicial, Fátima)
Foi só lá pelos 17 anos que me tornei uma pessoa se não completamente, MUITO diferente do que eu havia sido até então. E depois, indo morar em São Paulo, meus horizontes se expandiram e muito da apatia ficou pra trás, enterrada lá nos primórdios da adolescência!  Mas não posso dizer que faço grandes coisas, não. Eu ainda dou muito "phoda-se" pra society - olha a herança da indiferença aí!
Hoje eu percebo que realmente, uma parte da Geração X pode mesmo ter tido essa apatia em relação ao mundo e à vida, tanto que os colegas da época que mantenho contato, metade ainda tem traços de indiferença. De certa forma, saber que minha adolescência foi realmente "trevas", me faz me sentir bem menos "culpada" por não ter mudado o mundo.


O segundo tema é baseado em outra característica da Gen X, a clássica frase “fulano não sai do quarto”:
"Os Baby Boomers adoravam protestos e se agrupar nas ruas, a geração Y vive pra lá e pra cá socialmente visando tirar selfies pra mostrar que andam fazendo e nossa geração preferia o vídeo game, a TV e o próprio mundinho.
Nesse Projeto, a gente vai dizer o que tinha no nosso quarto na nossa época de teen. O que a gente colecionava, como decorava, o que fazia dentro do quarto (não tinha internet né?)..."

Pra esse projeto: Não existiu quarto adolescente mais sem graça que o meu, juro! Óbvio que entre os 12 e os 19 anos a decoração mudou, então vou fazer um apanhado geral sem separar por datas:
 
O que tinha:
Meu quarto era minimalista e sem graça: o armário; cama de solteiro; 1 criado mudo, uma estante grande que era onde eu colocava tudo de importante na minha vida, desde material da escola, até minha coleção de livros, revistas, rádio, cds....; um sofá de dois lugares, um baú de dois lugares e uma cômoda. Posteriormente veio a mesa pro computador. A parede teve várias cores, mas sempre neutras.
O que colecionava: latinhas temáticas de refrigerante (especialmente as da Coca Cola), revista Caminhos da Terra (aprendi MUITA coisa sobre o mundo nelas!), selos (amoooo), bruxas. Eu tinha bruxas de todo o tipo!
Como decorava: Decorava com minhas bruxas e tive fase de colocar pôsteres de filmes de terror ou mistério na parede. Mas como eu ainda tinha um pouco de romantismo/kawaiizice, eu deixava bichinhos de pelúcia numa estante (tipo aqueles da Parmalat!). Eu não colocava fotos de bandas porque achava que era "fanzice" demais! Sérião, nunca decorei meu quarto com bandas (sou anormal mesmo né???).
O que eu fazia: tudo e nada kkkk! Quando eu não estava na sala vendo TV (eu nunca quis ter tv no quarto e ainda hoje não quero), eu estava no quarto. Além dos estudos, eu fazia minha agenda, escrevia cartas pros meus amigos distantes e que moravam em outros países e lia minhas revistas e livros. E claro, era o local pra conversar com as amigas aqueles assuntos clássicos de adolescente.

Bom, espero que não tenha entediado vocês com minhas histórias! :D 
Vou finalizar aqui e estes são os blogs que já publicaram o Projeto (o prazo finaliza no fim da semana, e atualizarei os links - então voltem aqui pra conferir!).
Corp. Gótica LTDA
Mädchen Rosenrot


O Look que eu não curti (mas só percebi depois...)

* Enquanto escrevo esse post, estou em SC e vejo  previsão do tempo pra essa madrugada na cidade de São Joaquim, na serra catarinense. Neste momento, faz 10ºC na cidade e, a previsão pras 6 da manhã é de 6ºC. Durante a semana, a máxima será de 20ºC. Então amigas, mudem pra serra de SC se vocês querem uma vida com dias frios, deem adeus ao calor e venham viver uma vida interiorana pacata, com neblina e lareiras acesas. Porque sim, existe frio no Brasil! *

Neste dia fui no shópis. E já sabendo que eles são truqueiros - nessa época do ano eles colocam o ar condicionado no máximo pra você sentir frio e comprar a coleção de outono inverno mesmo que esteja um sol de rachar lá fora - fui precavida. Coloquei meias calças e levei um bolero.

Optei por usar minha regata de telinha - que fiz as contas e ela tem 12 anos!!!!! Ou seja, fiz ela em 2003 :O 
O motivo de eu usar a regatinha de tela embaixo do vestido é que o decote deste vestido é redondo e profundo (não parece mais é), ideal pra quem tem algum peito (não é meu caso). Cinto de elástico que tenho há uns 5 anos e na época custou R$4,00. Meia da Renner que comprei três anos atrás (quase quatro) e Melissa Vivienne Westwood Three Straps Low que eu tenho há uns 6 anos. Ou seja, de novo mesmo só o vestido. Não dá pra ver mas é essa presilha da Sweet Style e os acessórios são velhos de guerra.

Por que não curti:
Bom, antes de sair eu tirei foto e larguei a máquina. Quando voltei e fui ver no computador, notei que minha silhueta ficou achatada mesmo com o vestido sendo curto. Acredito que isso se deu porque houve três "cortes" horizontais na silhueta: 1. barra do vestido; 2. linha horizontal da meia e 3. Tiras da sandália no tornozelo.
Resultado: fiquei parecendo uma criança arrumada pra festa da amiguynha.

Então, minha nota mental é: não usar esse vestido com essa meia novamente 
ou repetir o traje mas não usar com esse calçado de tiras, usar com salto.


(eu ia linkar no post o vestido, mas ele vendeu tão bem que tá fora de estoque na Stooge. Assim que voltar, eu atualizo)


Bizarro para você, normal para mim: As particularidades do mundo alternativo! Tag 1: MODA

Esse é mais um projeto do grupo de blogagem alternativa coletiva que participo, o Blogueiras S/A!! :D



"Pensando em esclarecer as particularidades do mundo alternativo para os interessados, o grupo Blogueiras S/A apresenta o projeto "Bizarro pra você, normal para mim: As Particularidades do Mundo Alternativo" que consiste em abrir as portas do mundo alternativo para que as pessoas possam conhecer as diferenças e entender que apesar delas, somos todos seres humanos que merecem respeito. O projeto acontecerá em quatro capítulos divididos em vários temas que cercam o cenário alternativo. Cada participante mostrará a partir de sua visão um pouco do nosso mundo e do que nos torna diferentes."



Perguntas:
1. Como você definiria o seu estilo de se vestir?
* Sanalicious 
* Rockstar Wannabe 
* Metalera Suave 
* Punk sem boutique
* Lady in Black 
* Poser Gothic 
* Retrô Atualizada
* Hipster Ultrapassada 
* Metamorfose Ambulante Estagnada.


2. A música influencia na seu estilo? Quais são suas influências musicais?
Claro!! O Rock n Roll me fez ser quem eu sou!
Eu me encontrei no mundo alternativo quando conheci a subcultura rock, passei a "me vestir como roqueira". Absorvi influências diversas ao longo da vida e hoje todos os estilos musicais e estéticos dentro do rock me inspiram, não servem mais como influência mas sim, como referência.
Eu gosto de outros estilos musicais além do rock, mas não influenciam meu estilo.


3. Já se inspirou em algum músico ou artista para compor seu visual? Qual?
No início não havia apenas um artista que eu me inspirava, mas no visual rock n roll como um todo, especialmente o hard rock, o punk misturado com a moda dos anos 90 (era a moda da época), eu fazia um apanhado geral das imagens que chegavam até mim (couro, spikes, xadrez, preto, tule...) e tentava criar um visual com o pouco que eu tinha acesso.
Posteriormente, mais velha, eu curtia usar saias e as meninas do rock não usavam muito, aí peguei um pouco de inspiração nas saias que a Amy Lee usava, saias mais armadas. Depois eu tive uma fase muito headbanger onde bandas Female 80s de Hard Rock e Metal e a Doro me inspiravam muito! Eu usava calça justa preta (cirrê, vinil ou jeans com camada emborrachada) ou mini saia de couro com vários cintos e corpetes ou blusinhas pretas.


4. Cite 1 peça preferida, 1 mais versátil e 1 que foi mais difícil de conseguir do seu guarda-roupa.
Preferida: Esta saia com mini pregas que fiz há 6 anos atrás e ainda uso diretão.



Versátil: Difícil responder porque tendo a comprar peças versáteis pra ter múltiplas combinações e um armário enxuto. Então, praticamente todas as minhas roupas são versáteis, mas se eu tiver que escolher só uma fico com a saia de tule de bolinha com barra de renda que eu fiz. Porque dá pra compor tanto visual básico de ir ao mercado quanto mais elaborado/fashion. Também uso ela como "saia de baixo" pra vestidos curtos.

Mais difícil: A Lita inspired Spikes. Calço 38 e a fôrma desse calçado (da China) é pequena. Assim, demorei quase um ano pra encontrar uma 39 por um  preço justo. Se eu achasse uma tamanho 40 eu compraria agora, porque gosto de usar botas um tamanho maior, pra usar com meias grossas no inverno.



5. Como me adapto dentro da minha vida, rotina e estilo diante de pessoas que não fazem parte do meu modo de vida alternativa?
Normalmente não me adapto.
Eu uso meu estilo em todo lugar, do supermercado ao shopping, à um restaurante ou pra fazer compras banais na rua. As pessoas que convivem comigo conseguem me enxergar além das roupas. Tenho diversos amigos "normais" e não precisei me vestir "normal" pra conquistá-los. 

E por não me adaptar, às vezes sinto a repulsa por minha estética vinda de pessoas de aparência religiosa, de classe mais baixa ou o oposto, pessoas de classe muito alta (deixando claro que não é crítica à essas pessoas, e sim uma observação sobre minha experiência pessoal).
Muitas pessoas adaptam seus estilos ao mainstream, eu fiz escolhas onde o mainstream fica num paralelo com minhas atividades. Tendo a procurar emprego em empresas mais abertas, acaba sendo bastante limitado na questão profissional, mas são escolhas, cada um faz as suas.

Quanto à família, nunca tive problemas com meus pais, pois eles são roqueiros. Para os outros familiares, minha a estética não faz diferença pra eles, pois conhecem minha personalidade. O que parece incomodá-los é o fato de eu não viver uma vida padrão - juro que isso incomoda mais do que o visual!!! VIVER alternativamente é bem mais complicado que só usar a estética.

 
6. Como consumidora e blogueira alternativa que recado você deixaria para as empresas?
Como Consumidora: 
- Lojas alternativas: loja alternativa tem que investir em peças loucas, diferenciadas, com design... peças ALTERNATIVAS. Mas poderia dizer que faltam lojas com foco em estéticas mais corporate, mais "básicas" (entre aspas porque o básico alternativo não é o básico mainstream), retrô (retrô MESMO) e menos sexies. A questão é que falta uma coisa que eu não sei explicar, acho que as peças da Dark Fashion são as que mais se aproximam do que imagino... seriam peças simples, confortáveis, atemporais mas com estilo sabe??
Encuco também com a questão preço x qualidade. Tem loja alt. que coloca o preço lá em cima e quando você pega a peça na mão, costura torta, tecido barato, pensa "não não não!".


- Lojas Mainstream (marcas, grifes e de departamento): 
Pagar R$80,00 por uma peça de loja de departamento que vale R$30,00 não é um achado, é exploração! Qual a procedência das peças fast fashion que compramos? Acho que isso precisa ficar mais claro pros consumidores que se interessam por um consumo mais justo, limpo e consciente..

Sinto falta de peças simples e com detalhes interessantes. Você acha uma blusa com uma modelagem super legal, diferente e tem uma estampa tenebrosa. É preciso entrar na mente desse povo que roupa *não precisa* ter estampa pra ser bela!
Acho que as trends alternative inspired tem sido muito mal desenvolvidas. Vejo mais "alternative inspired sem graça" do que "alternative inspired com uma idéia legal". Digo isso com meu estilo pessoal em mente, CLARO, cada um tem seu estilo e suas visões sobre. A banalização extrema de estéticas alternativas, a amenização de conceitos, o consumo em primeiro lugar, acabou estragando algo que poderia estar sendo muito legal de consumir. Compro menos hoje em dia do que 5 anos atrás quando o alternativo não estava em voga... parece contraditório, mas é que o "alternativo" que essas lojas andam vendendo são pulverizados demais pra mim. Acabo indo em loja mainstream só pra comprar roupa básica e com sorte alguma caveira em blusa preta.

E mais variedade de tamanhos, claro! Não precisa existir "sessão plus size". TODAS as peças DEVERIAM ter tamanhos maiores e não apenas uma sessão separada com um estilo selecionado que às vezes nem é o estilo da gordinha! Magras e gordas podem vestir a mesmíssima roupa. O que define não é o tamanho da pessoa, mas o formato do corpo.


Como Blogueira: pensando no caso de parcerias com empresas, eu diria:
"Queridas empresas, não esperem que todo blog alternativo tenha um milhão de acessos, faça looks do dia certinhos, resenhas redondinhas, porque são blogs... alternativos!
Não espere moças de corpos perfeitos, malhados e sensuais, nós somos como somos e assumimos nossas particularidades corporais!
Um nicho de gente crítica e com muita criatividade. As blogueiras alternativas tem estilo e opiniões próprias, o que é muito mais interessante, pois se gostam da sua marca, gostam de verdade! Não peçam pra elas se amenizarem, se vocês pedem isso, demonstram que não tem cultura de moda, não estudam os nichos, não entendem a importância do estilo próprio e podem estar perdendo uma geração de clientes!"

É isso aí galeris! Agora visitem os outros blogs dazamigas participantes:
(coloquei o link direto de quem já postou até o presente momento, atualizo depois a lista)

Look de ir ao supermercado não é divo o bastante pra ser postado!


Ou talvez seja. O blog é seu e você posta o que quiser.

É outono e o sol mudou de lugar. O local que eu andava tirando fotos de looks tem tido dois momentos opostos: escuridão num horário e sol direto no outro, como resultado, as fotos estão ficando hora escuras, hora com raios de luz me atravessando. E por causa disso, acabo tentando melhorar a luminosidade com algum efeito. Esse blog não é profissa (e nem pretende ser, por hora) então posso ser TRASH à vontade na edição das imagens.

Sem um pajem pra me fotografar (adoraria!) nem controle remoto, neste look foi tudo no automático, o que tornou as coisas beeeem chatinhas, apertar o botãozinho, correr e... a foto sai com o corpo/rosto de um jeito estranho... Como era um dia que eu tinha 15 minutos disponível, dei uns 6 clicks e as fotos abaixo se salvaram!

A blusa comprei na Marisa mês passado por 20 $ana$; saia handmade, acessórios de sempre e me dei ao luxo de colocar a Melissa de salto porque era uma saída rápida. Nada além de comprar uns 10 itens no mercado e mais uns 5 na loja de produtos naturais e voltar pra casa porque esse foi um daqueles dias de outono que fez 30ºC. Look confortável no calorão é regra!

Essa foto foi tirada 2 dias depois que mudei o cabelo, dei efeito na foto pra clarear porque elas ficaram bem escuras, acabou que deu uma iluminada no tom do cabelo, um brilho, mas nada muito diferente da cor que havia sido recém pintada.
Odeio pose-não-pose...mas acabei fazendo.